Peixes em perigo de extinção voltam ao meio natural

No âmbito do "Projeto de Conservação Ex-situ de Organismos Fluviais "desenvolvido por uma parceria entre a Quercus, o MARE-ISPA, o Aquário Vasco da Gama e a Faculdade de Medicina Veterinária, decorreu a 16 de maio o 4º repovoamento do rio Alcabrichel (freguesia do Ramalhal, concelho de Torres Vedras), com a inserção no meio natural de 617 Ruivacos-do-Oeste (Achondrostoma occidentale).

O objetivo deste projeto é reproduzir e manter populações ex situ de uma das espécies de peixes de água doce mais ameaçadas no nosso país, cujo território mundial são os rios Alcabrichel e Sizandro (Torres Vedras) e Safarujo (Mafra), minimizando o risco de extinção desta espécie e a conservação da biodiversidade autóctone de Portugal, foram já libertados 5.500 espécimes desde a primeira ação de repovoamento, em 2011.

Esta iniciativa contou com a presença da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos, do Administrador da Águas do Tejo Atlântico, Hugo Xambre Pereira, do presidente da Câmara de Torres Vedras, Carlos Bernardes, do presidente da Junta de Freguesia do Ramalhal, representantes da ARH Tejo-Oeste, do ICNF, GNR, entre outros parceiros, referindo-se ainda a presença dos CTT, pois este projeto foi este ano selecionado como vencedor da iniciativa "Compensação Carbónica" da CTT Expresso.

Todos os animais libertados são provenientes do Posto Aquícola de Campelo, perto de Figueiró dos Vinhos, onde são reproduzidos em cativeiro, com a menor intervenção humana possível, para depois poderem ser devolvidos ao rio de origem.